Pinheiros representa o Brasil no Sul-Centro Americano de handebol

Pinheiros representa o Brasil no Sul-Centro Americano de handebol

Pinheiros representa o Brasil no Sul-Centro Americano de handebol

Campeão em 2017, o Pinheiros estreia no Torneio Sul-Centro Americano feminino de handebol (ex-Pan-Americano) nesta segunda-feira, às 14h30 contra o Ovalle, do Chile, em Buenos Aires. No jogo de despedida de São Paulo, vitória por 33 a 22 sobre o Santos Fupes no Henrique Villaboim pelo Campeonato Paulista, a terceira em três jogos.




Ana Cláudia em ação pelo Pinheiros (Foto: ECP / Ricardo Buffolin)

Ana Cláudia em ação pelo Pinheiros (Foto: ECP / Ricardo Buffolin)

Foto: Lance!

O Pinheiros está no Grupo 2, ao lado de Ferro Carril (ARG), Scuola Italiana (URU), Ovalle (CHI) e Cerro Porteño (PAR). O Grupo 1 tem, Português de Recife (BRA), River Plate (ARG), Club Italiano (CHI), Layva (URU) e Moreno (ARG). Os clubes se enfrentam entre si em seus grupos de segunda a sexta-feira e os dois primeiros fazem as semifinais no sábado. O título será decidido no domingo (5/6).

Artilheira contra o Santos com 11 gols e escolhida a melhor da partida, a ponta Ana Cláudia destacou a versatilidade da equipe.

– Nosso volume de jogo mostra que estamos engajadas para o Sul-Centro Americano. Todas as meninas estão entrando e participando do jogo com a mesma intensidade, sem maiores interferências no ritmo.

O Pinheiros jogou poucas vezes neste início de ano. Para o treinador Maurício Antonucci, a equipe deve embalar em Buenos Aires.

– Conhecemos os adversários e sabemos que será um torneio difícil. As ações em quadra, tanto na defesa quanto no ataque estão muito bem. O que ainda deve evoluir é o ritmo, o que deve acontecer durante a competição. Além do Clube Português, as paraguaias são fortes no handebol – alertou Antonucci.

A capitã Bidy prevê um torneio competitivo.

– O campeonato deve ser equilibrado, com várias equipes no mesmo nível. Mesmo sem muitos jogos oficiais, estamos treinando com intensidade, com dificuldades até maiores do que em um jogo. Nossa identidade é de corrermos muito durante as partidas, defendendo com força para contra-atacar rapidamente – avaliou a central que defende o Pinheiros há 15 anos.

Read:  "Dejá de robar": los duros afiches contra Cardona en la sede de Racing