Pandemia acelera adoção de internet em áreas rurais

United Health pode vender Amil após ter de ficar com planos deficitários

Pandemia acelera adoção de internet em áreas rurais

Com um aumento de 11 pontos percentuais em relação a 2019, o acesso à internet chegou a 82% dos domicílios em 2021, segundo a versão mais recente do TIC Domicílios, estudo que mede uso e hábitos dos usuários de internet no Brasil. A pesquisa foi divulgada nesta terça-feira, 20, pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

O estudo captura o impulso à digitalização forçado pela pandemia. O crescimento no acesso foi observado em todas as classes sociais, mas o destaque ficou para as classes D e E: Enquanto em 2019 apenas 50% desses domicílios tinha acesso à internet, dois anos depois o número registrado foi 61%. Em 2015, apenas 16% dos domicílios de baixa renda possuíam internet.

De outubro de 2021 a março de 2022, o TIC Domicílios entrevistou face-a-face 21.011 pessoas de todo o país, marcando o retorno da pesquisa presencial após dois anos de pandemia da covid-19. A pesquisa registrou um aumento expressivo no número de domicílios com conexão na área rural, saltando de de 51% para 71%. Em área urbana, o acesso subiu de 75% para 83%.

Read:  Além do frio, a cidade de São Joaquim quer ser conhecida pelos seus vinhos

“Ter acesso à internet não revela muito sobre a qualidade da conexão”, afirmou Fabio Storino, coordenador da TIC Domicílios. Ele aponta para o fato de que existem ainda muitas formas de conexão mais lenta e instáveis em áreas rurais. As conexões por rede móvel, satélite e rádio aparecem em proporção maior nos domicílios rurais que urbanos. Nas cidades, 64% dos domicílos têm como conexão a cabo ou por fibra óptica – no campo, esse número é de 39%.

Apesar da melhora na acessibilidade, mais de 35,5 milhões de brasileiros ainda não utilizam a internet. Essas pessoas se concentram nas classes D e E, nas quais a proporção de não usuários é de 34%. Em contrapartida, 138,8 milhões disseram se conectar diariamente.

Read:  Alain Resnais ganha mostra comemorativa de seu centenário na Cinemateca Brasileira

Vitória do streaming

Entre os principais dispositivos de acesso, o celular continua na liderança desde 2015, abrangendo 99% dos usuários. Já o computador segue em declínio e cai de 42%, em 2019, para 36% em 2021. Quem ganhou espaço nos últimos anos foi a televisão: 74,5 milhões (50%) de brasileiros acessaram a internet pela TV. Dois anos atrás, o número era de 49,5 milhões de usuários (37%).

Comunicação, conteúdo multimídia, e busca por informações e serviços compõem as principais atividades realizadas online. O envio de mensagens instantâneas, como WhatsApp e Telegram, é quase unânime entre os usuários: 93% deles disseram utilizar a internet para essa atividade; assim como a realização de chamadas de voz ou vídeo e o uso de redes sociais, com 82% e 81%, respectivamente. Já o consumo de conteúdo em vídeo, como programas, filmes e séries e também musical foi relatado por 73% dos usuários. As “lives” ganharam 12 pontos percentuais em relação à 2016, chegando a 50%; enquanto as transações financeiras conquistaram a confiança dos usuários, crescendo de 33% em 2019 para 46% em 2021.

Read:  Unión recibe a Platense en busca de un triunfo

O vídeo tem sido o formato preferido para o consumo de conteúdo online. Com a popularização de plataformas como o TikTok e o impulsionamento do Instagram para conteúdos do tipo Reels (vídeos curtos de até 90 segundos), as redes sociais, com 47% dos espectadores, quase alcançam os sites e aplicativos específicos para compartilhamento de vídeos, como o YouTube, com 50%. Os serviços por assinatura somam 70 milhões de usuários e continuam em uma crescente: foram de 33% dos espectadores em 2019 para 38%. A classe C foi a que mais pagou pelo acesso a músicas, filmes e séries pela internet, contabilizando cerca de 6,5 milhões de usuários pagantes para música e 19 milhões para filmes e séries.

O estudo mostrou também um grande avanço no consumo de podcasts: 41,2 milhões de pessoas ouviram podcast em 2021 ante 17,7 milhões em 2019. O maior salto foi na classe C, de 8 milhões para 20,9 milhões./COLABOROU BRUNO ROMANI