Ópera recria trajetória de Aleijadinho em produção nas ruas de Ouro Preto

United Health pode vender Amil após ter de ficar com planos deficitários

Ópera recria trajetória de Aleijadinho em produção nas ruas de Ouro Preto

Escultor, entalhador, carpinteiro e arquiteto, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, será também a partir de hoje personagem de ópera. Aleijadinho, escrita pelo compositor Ernani Aguiar e o libretista André Cardoso, estreia nesta sexta-feira, 29, em Ouro Preto, em apresentação ao ar livre.

A produção é uma iniciativa do Palácio das Artes de Belo Horizonte, onde a ópera também será encenada, nos dias 14, 16, 18 e 20 de maio.

“Chegando a Ouro Preto para ensaios, eu me peguei pensando que não sou eu que conto a história da cidade, mas a cidade que conta a história de Aleijadinho para nós”, diz a diretora cênica Julianna Santos.

Read:  Ferroviária x Vasco: onde assistir, horário, escalações

“Tratar da história do Aleijadinho nos permite refletir sobre diversos temas, como a questão racial. Ouro Preto foi construída com sangue escravo e há uma série de legados ainda presentes em nossa sociedade. Da mesma forma que é preciso abordar o trabalho do Aleijadinho, sua relação com a arte, muito forte.”

Para André Cardoso, Aleijadinho “foi um grande personagem de ópera”. “Tudo o que ele viveu faz dele um grande personagem. O drama de sua vida nos pareceu bastante operístico. A doença que o foi debilitando gradativamente, a relação com o filho que o abandona. O abandono é um tema central na história”, conta.

Read:  Gustavo Lemos, una nueva esperanza para el boxeo argentino

Cardoso, que é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizou extensa pesquisa histórica para criar o texto. “Há cenas criadas, claro, mas na recriação de personagens históricas tentei ser fiel aos textos de época.”