Como Verstappen ajudou Hamilton no campeonato de 2018

Como Verstappen ajudou Hamilton no campeonato de 2018

Como Verstappen ajudou Hamilton no campeonato de 2018




Verstappen e Ricciardo batendo durante o GP do Azerbaijão de 2018

Verstappen e Ricciardo batendo durante o GP do Azerbaijão de 2018

Foto: F1/Twitter

Lewis Hamilton e Max Verstappen tiveram uma disputa muito intensa, até certo ponto polêmica, em 2021.Mas antes disso nunca disputaram um campeonato, muito por conta da Red Bull não dar carros competitivos ao holandes. Em 2018, foi um bom exemplo disso.Os taurinos eram apenas a terceira força, enquanto por boa parte do campeonato, Ferrari e Mercedes brigaram pelo protagonismo

Após 3 etapas, Vettel liderava o campeonato com 54 pontos, contra 45 de Hamilton. Outro destaque era Bottas, com 40 pontos. Apesar da diferença de apenas 9 pontos entre Vettel e Hamilton,  ela não representava muito. Lewis perdeu o GP da Austrália para o alemão por causa de um VSC.

No Bahrein, Vettel venceu segurando Bottas, Hamilton largou apenas em 9° lugar por problemas de troca em parque fechado que custaram 5 posições e terminou em terceiro. Na China, Vettel era o terceiro colocado quando foi tocado por Max Verstappen e terminou apenas em 8° lugar. Hamilton em 4°, graças a punição do holandes pelo acidente com o alemão.

Bottas, que estava com 40 pontos e corria por fora, tinha conseguido dois bons 2° lugares, depois de uma prova de recuperação na Austrália, largando em 15° e terminando em 8°.

Mas Baku, 4ª prova do campeonato, tudo parecia voltar para a Ferrari novamente: Na qualificação, os 10 primeiros foram: Vettel (Ferrari); Hamilton (Mercedes); Bottas (Mercedes); Ricciardo (RBR); Raikkonen (Ferrari); Verstappen (RBR); Ocon (Force India); Perez (Force India); Hulkenberg (Renault) e Sainz (Renault).



Vettel fez a volta mais rápida durante a qualificação

Vettel fez a volta mais rápida durante a qualificação

Foto: F1/Twitter

Os pneus disponíveis para aquele final de semana eram o macio, super macio e ultra macio, ainda na nomenclatura antiga da Pirelli. Para melhor entendimento no texto, iremos fazer a conversão para duros, médios e macios. Outra coisa também era diferente deste ano é que os pilotos do top 10 eram obrigados a largar com o pneu que se fez a melhor volta no Q2. Com isso, os seis primeiros largaram de médios e os outros quatro com macios.

Na largada, as primeiras cinco posições se mantiveram. Mas Ocon foi atacar Raikkonen e os dois acabaram batendo. Com isso, o SC entrou na pista e ficou por 5 voltas.Na relargada, Verstappen passou por Ricciardo, ambos estavam com pneus médios. Os carros da Renault, que vinham logo atrás, estavam com pneus macios, então Sainz conseguiu passar os dois carros da Red Bull e assumiu a quarta posição, Hulkenberg também passou pelos dois.

Ricciardo começou a pressionar Verstappen. Na volta 11, Hulkenberg deu um toque no muro e abandonou. Na volta 12, Ricciardo tentou passar por Max, mas não conseguiu. Na volta 15, os pneus de Sainz tinha acabando, Verstappen passou e o espanhol entrou nos boxes.

Na frente, Vettel liderava com tranquilidade, enquanto Hamilton tentava acompanhar. O britânico acabou passando reto na curva 1 na volta 21 e teve que parar para trocar os pneus, mudando os pneus médios por duros. Vettel ainda se manteve na pista até a volta 29

A Mercedes decidiu manter Bottas na pista para usar macios no fim, já que o desgaste não era tão alto, então o finlandês assumiu a ponta. A disputa Verstappen e Ricciardo pela quarta posição estava muito boa. Na volta 27, Ricciardo chegou a passar, mas perdeu na curva seguinte

Na volta 35, Ricciardo conseguiu forçar a ultrapassagem. Na volta 37, Ricciardo parou, colocando macios para ir até o final da prova. Na volta 38, foi a vez de Verstappen parar e, mesmo sem a vantagem de parar antes,voltou à frente do companheiro de equipe. Muito pelo baixo desgaste, o piloto que parava depois tinha vantagem. Na volta 40, o acidente aconteceu: Daniel Ricciardo encheu a traseira de Max Verstappen.



Ricciardo acabou batendo em Verstappen em um lance controverso

Ricciardo acabou batendo em Verstappen em um lance controverso

Foto: F1/Twitter

Agora é preciso entender porque esse acidente foi tão importante para a história: ele desencadeou vários fatos que mudaram tudo. Naquele momento, Vettel estava teoricamente em primeiro, iria ficar após a parada de Bottas e obteria 79 pontos. Bottas iria para terceiro ou até segundo, pois o rendimento dos pneus médios estava bom e o finlandês conseguiu manter a diferença de na casa de 20s para Hamilton. Com pneus novos, ele poderia passar por Lewis. Iria para 68 pontos no campeonato.

Hamilton seria a maior vítima do enredo: sem vitórias naquele momento, sua moral não estava tão em alta e iria piorar, imaginando que terminasse em terceiro, alcançado 60 pontos, 19 atrás de Vettel e 8 atrás do companheiro de equipe. Mas com o acidente, tudo mudou: Bottas aproveitou para parar e colocou os macios. Vettel, Hamilton e Raikkonen (P4) fizeram o mesmo. Na volta 42, foi permitido que os carros que estavam levando uma volta a recuperassem e estavam quase prontos para voltar a bandeira verde

Mas Grosjean bateu na volta 43, enquanto estava aquecendo os pneus, perdendo o controle. Isso prolongou o tempo com SC na pista. Mas na volta 47, faltando 4 voltas, o SC ia deixar a pista. Vettel precisava passar por Bottas para ir aos 79 pontos, contra 60 de Hamilton.

O mesmo cenário era um pouco improvável sem o acidente. Porém, na situação original, Vettel não precisaria passar por Bottas. Vettel arriscou ir para cima da Mercedes 77, mas o pneu dianteiro esquerdo ainda frio travou e ainda perdeu a posição para Hamilton e Raikkonen. Na mesma relargada, Magnussen e Gasly tiveram um toque após o dinamarquês fechar o francês de forma até desleal, fazendo que com um pedaço da ponta da asa dianteira do piloto da Toro Rosso ficasse naquele ponto.
 



Vettel tentou forçar a ultrapassagem e se deu mal..

Vettel tentou forçar a ultrapassagem e se deu mal..

Foto: F1/Twitter

Na volta seguinte, Bottas passou por cima do detrito e seu pneu estourou, tendo que abandonar. A situação era muito desoladora para o finlandês, porque naquela mesma volta, Perez passou por Vettel, então Bottas iria sair líder com 65 pontos, contra 64 de Vettel e 62 de Lewis

Quem se deu bem foi Hamilton:  venceu a prova que parecia impossível antes do acidente de Verstappen e Ricciardo. Ganhou fôlego no campeonato e acabou se tornando o líder, com 70 pontos, contra 66 de Vettel, 48 de Raikkonen e 40 de Bottas. Hamilton após o GP disse que seu companheiro de equipe merecia essa vitória, e que era estranho estar ali. Mas que não havia desistido (da prova). Hamilton venceu a prova seguinte, na Espanha, onde a Mercedes rendeu melhor também

Hamilton naquele momento do campeonato ganhou fôlego e teve uma grande sequência, vencendo o campeonato no México, faltando ainda duas etapas. Lógico que outros fatores também ajudaram, com Ferrari e Vettel cometendo erros e uma equipe se vendo perdida no desenvolvimento.

Read:  CBF revoga teste de Covid-19 obrigatório para atletas assintomáticos